Compartilhe
essa notícia
Cidades / Saúde 27/08/2012 14:15 - Atualizada em 30/08/2012 22:13
Campinas registra 218 ataques por enxames de abelhas
Acidentes normalmente são relacionados ao ambiente de trabalho


Levantamento da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo aponta que a cada dia, em média, seis paulistas são atendidos em hospitais vítimas de ataques de enxames de abelhas. De janeiro a julho deste ano foram 1.291 registros em todo o Estado, segundo dados informados pelos municípios ao Centro de Vigilância Epidemiológica – CVE - da pasta. Houve quatro mortes. Campinas é uma das regiões que possui maior número de acidentes, 218 notificações.



Piracicaba também possui 218 notificações, seguido de Botucatu, com 118 casos, e Araraquara, com 114 casos. No ano passado, as notificações foram 2.080, dentre elas, três mortes.



Assim como escorpiões, aranhas e serpentes, as abelhas também são consideradas animais peçonhentos, em razão do veneno contido nos ferrões. Mas, no caso das abelhas, a notificação só é compulsória em caso de vítimas de enxames.



“O efeito do veneno varia de organismo para organismo. Dependendo do número de ferroadas, da quantidade de veneno injetado e da demora em busca de auxílio médico, os ataques podem levar uma pessoa a morte caso ela seja alérgica, por exemplo”, afirma Joseley Casemiro Campos, técnica da zoonoses do CVE.



Segundo ela, os acidentes normalmente estão relacionados ao ambiente de trabalho, como lavouras. Por isso, algumas medidas de prevenção são fundamentais para evitar os ataques. Entre elas, recomenda-se o uso de roupas adequadas e claras, preferencialmente brancas, em caso de manipulação das colmeias, já que o uso de cores fortes pode desencadear um comportamento agressivo das abelhas.



Além disso, é recomendável o uso de chapéus e roupas de manga em locais propícios ao aparecimento de enxames. Em caso de acidente, a dica é retirar os ferrões com pinças e procurar o serviço de saúde mais próximo.



“Não se deve, de forma alguma, espremer o ferrão para que ele saia, porque isso pode fazer com que ele libere mais veneno”, explica Joseley.


Comentar notícia

Nome
Email
Mensagem
Li e concordo com os termos de uso
Nome remetente
Email remetente
Nome destinatário
Email destinatário