Compartilhe
essa notícia
Cidades / Saúde 02/09/2013 10:33 - Atualizada em 02/09/2013 10:33
Dor na relação sexual pode ser causada por 'bexiga caída'


Desconforto durante a relação sexual, sensação de que há uma saliência ou abaulamento na vagina e perda involuntária de urina são alguns dos sintomas do prolapso genital, condição que pode atingir duas em cada dez mulheres a partir dos 40 anos. A doença também atinge mulheres mais jovens, mas com menos frequência.



Popularmente conhecido como 'bexiga caída”, o prolapso genital é caracterizado pela queda da parede da vagina, consequência do enfraquecimento dos músculos da região pélvica, causando o deslocamento de órgãos como útero, bexiga, reto, intestino delgado e uretra. “Existem quatro graus de prolapso. Nos mais graves, a mulher sente uma bola na região genital, que causa enorme desconforto e constrangimento. Mulheres com prolapso passam a evitar seus parceiros, já que, além da vergonha, o ato sexual pode se tornar doloroso. A doença também prejudica a qualidade de vida, uma vez que causa a perda involuntária de urina”, explicou a ginecologista Silvia Carramão. Veja abaixo algumas dicas sobre a condição.



1 – Não tenha vergonha de pedir ajuda - Apesar de frequente, muitas mulheres ainda desconhecem o problema. “É comum elas sentirem vergonha de pedir ajuda ou acharem que é normal, consequência da idade. Algumas apenas buscam tratamento quando o prolapso está bastante avançado”, explicou.



2 – Fique atenta às condições de risco - O diagnóstico do prolapso é clínico e sua ocorrência está relacionada a múltiplos partos normais ou gravidez, obesidade, menopausa, cirurgias abdominais ou vaginais prévias, envelhecimento e algumas doenças musculares, neurológicos e genéticas.



“Estudos mostram que, a cada década de vida, dobra a chance de a mulher apresentar o prolapso genital, sendo que 11% das mulheres até os 70 anos precisarão de tratamento cirúrgico", informou ela.



3 – Conheça os tratamentos - O tratamento varia de acordo com a intensidade. Nos prolapsos mais leves, são indicados exercícios para a região pélvica e, nos casos mais avançados, é necessário o tratamento cirúrgico.



4 – Converse com seu médico - A operação pode ser tradicional, para restaurar a anatomia normal, ou com a utilização de malhas sintéticas, por via vaginal ou laparoscópica, que corrigem os defeitos do assoalho pélvico, fortalecendo a região. A cirurgia tem taxa de eficácia acima de 90%.


Comentar notícia

Nome
Email
Mensagem
Li e concordo com os termos de uso
Comentários
  • Nome:Leila Marques
    Comentário:Tenho 69 anos. Bexiga caiu e levou o útero também...um médico disse que eu precisava operar...mas a operação não seria fácil dessa maneira.
    Outro médico disse para eu ficar dessa maneira mas bem que isso ia incomodar muito.
    meu marido quer relação...o que eu faço /

    Não tenho continência...mas vou muito ao banheiro urinar.
    Obrigado.
Nome remetente
Email remetente
Nome destinatário
Email destinatário