Compartilhe
essa notícia
Cidades / Saúde 30/09/2013 11:30 - Atualizada em 30/09/2013 11:30
Saiba como estimular o cérebro para uma vida mais saudável
É importante se manter ativo com o avanço da idade


O cérebro é um órgão extremamente complexo e importante no corpo humano, uma vez que se relaciona com todas as suas partes. Por conta disso, o estilo de vida de uma pessoa reflete diretamente na longevidade desse órgão. Grande parte dos hábitos recomendados para prevenção de doenças cardiovasculares traz benefícios comprovados à mente. Atividade física regular, controle de peso e alimentação balanceada estão entre as principais indicações e são cuidados que se potencializam quando praticados juntos.



Exercícios e dieta ajudam a controlar o peso que, em excesso, aumenta o risco de hipertensão e de acúmulo de gordura nos vasos sanguíneos. Essas são duas causas frequentes de acidente vascular cerebral (AVC), doença que causa 18,4 mortes para cada 100 mil habitantes no país por ano, seja pelo rompimento ou pela obstrução do vaso sanguíneo. “Exercícios também evitam microtrombos, que podem reduzir a capacidade cerebral”, alertou o neurocirurgião Antonio De Salles.



Já a dieta balanceada, além de controlar o peso, fornece a combinação de nutrientes necessária ao funcionamento do cérebro. Alguns nutrientes merecem atenção especial, como o ômega-3, que traz benefícios à memória e pode ser encontrado em alimentos como salmão, atum, sardinha, soja e linhaça.



Tais hábitos saudáveis, aliados a tantos outros, reduzem o declínio das funções cerebrais. Contudo, o neurocirurgião ressaltou que esse declínio é natural e faz parte do envelhecimento do organismo.



Planos para um idoso



Médicos de diversas especialidades recomendam ter planos para todas as etapas da vida. “A aposentadoria não deve ser vista simplesmente como um período de descanso, e sim como uma época de planos profissionais ou pessoais em outro ritmo, principalmente agora que a expectativa de vida tem aumentado”, ressaltou De Salles.



A ausência de ocupações, em muitos casos, favorece a depressão, que tem avançado e já atinge 5% da população mundial, segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde). Estudos mostram que as pessoas deprimidas apresentam menor resistência aos ataques cardíacos e às doenças vasculares.



Mesmo sem ambições profissionais, a pessoa pode buscar ocupações que sejam simplesmente prazerosas, como pintura, cursos de jardinagem, artesanato, artes, viagens e outros assuntos que lhe desperte interesse e enriqueçam seu desejo de viver.



Mente ativa



É possível desenvolver a inteligência, basta manter a mente ativa. Qualquer atividade que exija das funções cerebrais traz esse benefício, como muitos estudos têm mostrado. “Nossa capacidade de integrar conhecimentos está relacionada à atividade constante da rede neural, que é mais capaz e ativa quando exercitada”, explicou De Salles.



Na prática, exercitar o cérebro significa buscar mais conhecimento e novos usos das funções estabelecidas. “Procure desenvolver novas capacidades, como falar uma nova língua”, recomendou o neurocirurgião.



“Dirigir um carro, por exemplo, se torna algo tão arraigado com o tempo que nos sentimos confiantes para desenvolver tarefas paralelas enquanto dirigimos”, observou ainda. Embora não recomendado, porque dirigir é uma tarefa dinâmica e pode exigir reflexos não previstos, esse padrão demonstra como a mente pode se acomodar diante de tarefas recorrentes. Para ganhar inteligência, no exemplo da direção, podemos estimular a mente com novos caminhos ou com uma observação mais atenta do que se passa enquanto dirigimos.



A leitura é outro excelente exercício para a mente. Ela estimula a criatividade, a imaginação e trabalha a habilidade linguística.



O médico ainda cita outras atividades que podem estimular o cérebro, como jogar xadrez ou videogame. Ambas, além de representarem um desafio intelectual, também podem proporcionar mais contato com outras pessoas, elemento importante para se manter estimulado e motivado. Em contrapartida, o isolamento pode favorecer a queda de funções cerebrais e a depressão.


Comentar notícia

Nome
Email
Mensagem
Li e concordo com os termos de uso
Comentários
Nome remetente
Email remetente
Nome destinatário
Email destinatário